[2011] As geotecnologias e a emergência de novos mercados: o geonegócio enquanto aliança de poder.

N.C.F.Freire, A.C.A.Fernandes

AS GEOTECNOLOGIAS E A EMERGÊNCIA DE NOVOS MERCADOS:
O GEONEGÓCIO ENQUANTO ALIANÇA DE PODER

NEISON CABRAL FERREIRA FREIRE
ANA CRISTINA DE ALMEIDA FERNANDES

RESUMO - A globalização, fenômeno socioeconômico relativamente recente, complexo e em pleno curso no mundo, vem fortalecendo o desenvolvimento de novos mercados, dentre eles o “geonegócio”. O debate teórico neste artigo busca introduzir a geotecnologia como instrumento deste processo particular e seus desdobramentos e repercussões sobre o espaço geográfico. Argumenta-se que para a viabilização deste mercado e atendimento aos diversos interesses envolvidos, grandes empréstimos públicos internacionais (o “global”) são ofertados a determinados municípios (o “local”), onde o uso das Tecnologias da Geoinformação – TG’s – (o “meio técnico-científico-informacional”) oriundas das regiões mais desenvolvidas e dominantes é uma condição sine qua non para sua concretização, pois oferece: 1) às elites políticas, por um lado, o sedutor aumento do poder de controle sobre o território, por meio, dentre outros aspectos, do aumento expressivo da arrecadação própria e da elegibilidade da municipalidade para a obtenção de novos empréstimos; 2) às grandes empresas da área de cartografia sediadas no Sul-Sudeste do País a obtenção de grandes contratos públicos com excepcionais garantias de pagamento; e, por fim, 3) a emergência de novos mercados para geotecnologias em regiões periféricas a princípio insolventes para adquirir tais tecnologias.

Palavras-chave: globalização, geotecnologia, inovação, planejamento urbano, geonegócio, Maceió.

ABSTRACT - Globalisation is a relatively recent socio-economic phenomenon that is highly complex and widespread throughout the world and fostering the growth of several new markets, including geobusiness. The theoretical discussion in this paper seeks to introduce geotechnology as a key feature in the
process and examine its implications and repercussions with regard to geographical space. It is argued in this paper that considerable public international loans should be made available to certain town councils to make this market viable and cater for the various interests involved. For this to be put into effect, it is a sine qua non that these loans should be granted where GeoInformation Technologies (G.T.) (that rely on international scientific-technical means) have emerged from the most developed and important regions. The reasons for this are that they offer: 1) to the political elite - a welcome increase in its power and control over the territory through, among other factors, a notable increase in municipal taxes as well as making it more eligible to secure further loans; 2) to the large companies from cartographic area situated in both the South and South-East regions of the country public contracts where full payment is guaranteed, and finally 3) the emergence of new markets for geotechnology in the outlying regions of the world which initially lack the financial means to acquire technology of this kind.

Key-words: globalisation; geotechnology; innovation; urban planning; geo-business; Maceio.